MPPE questiona aprovação de candidato analfabeto no concurso público de Ribeirão


O candidato admitiu não ter o nível escolar necessário para a função e que não consegue ler nem escrever, apenas assina seu nome.

Do site do MPPE

O Ministério Público de Pernambuco (MPPE) recomenda ao prefeito do município de Ribeirão, Clóvis José Pragana Paiva, e à empresa Consultoria e Assessoria Medeiros (Comede), organizadora do concurso público da prefeitura do município, a exclusão de um candidato analfabeto aprovado na seleção. Denúncias de irregularidades no certame foram encaminhadas ao MPPE pelo vereador Mario Teixeira de Paula, o que acarretou a paralisação do andamento do concurso e a fiscalização antes que houvesse a homologação. No entanto, o MPPE constatou improcedência apenas deste candidato, que não sabe ler e nem escrever, apenas assina o seu nome, e foi aprovado para o cargo de Agente Patrimonial, que exige ensino fundamental completo.

O candidato admitiu, em interrogatório feito na Promotoria do município no dia 22 de abril, ter feito a inscrição para o cargo de Agente Patrimonial sem ter ainda o nível escolar necessário para a função e que não consegue ler nem escrever, apenas assina seu nome. Ele disse também que foi uma funcionária do local onde se inscreveu que preencheu os seus dados no formulário de inscrição. Após o MPPE notificar a prefeitura de Ribeirão sobre o caso e os atos da Comede, a empresa encaminhou resposta ao município com o gabarito da prova e a lista de inscrição, constando a assinatura do candidato.

O promotor de Justiça Hipólito Cavalcanti Guedes, responsável pela recomendação publicada no Diário Oficial desta quarta-feira (28), destacou que não é irregular a inscrição e realização de provas por qualquer candidato que saiba assinar seu nome, mas o que não se pode admitir é a nomeação e posse sem os requisitos de escolaridade exigidos no edital do concurso. “Se não houver exigência de apresentação de diploma no ato de inscrição em concursos públicos, qualquer pessoa que consiga escrever seu nome poderá se inscrever e fazer as provas. Porém, a nomeação e posse sem apresentar os requisitos de escolaridade configura a prática de improbidade administrativa”, ressaltou o promotor.

Desse modo, a prefeitura dará continuidade ao certame desde que homologue o resultado sem o nome do candidato analfabeto.

Anúncios

Sobre Da Redação do TP

Contatos com a Redação: (81) 3518-1755 ou jornalismo@jornaltribunapopular.com
Esse post foi publicado em Administração Pública, Últimas Notícias, concurso, Ministério Público. Bookmark o link permanente.

4 respostas para MPPE questiona aprovação de candidato analfabeto no concurso público de Ribeirão

  1. Rômulo Medeiros Nascimento disse:

    A Comede ainda não disponibilizou no site a lista com os aprovados! As informações no site são confusas e sempre entram atrasadas. Muitos dizem que a Comede é uma farsa! E eu jamais voltarei a fazer concursos que sejam elaborados por tal banca. Pois já me aborreci muito com irregularidades e adiamentos de provas. Sem falar que moro em Jaboatão dos Guararapes e estou até agora sem saber do resultado.

  2. Justiceand Liife disse:

    O certo é que o MP-PE invalide esse concurso, é obvio que tal analfabeto já tinha em mãos as respostas e memorizou o lugar onde marcar o x, isso tudo é uma vergonha para o Ministério Público de Pernambuco

  3. Roberto Russo disse:

    Caros amigos que fazem o Jornal Tribuna Popular,primeiramente gostaria de dizer que sou um assíduo leitor desse já conceituado veículo de imprensa, que cobre os acontecimentos de nossa cidade e região.E como admirador desse Jornal sinto-me a vontade para fazer um relato de algo ocorrido em meu bairro (Ponte dos Carvalhos).
    Era terça feira 13 de abril, de 2010 18:30h quando cheguei a Policlínica Jamaci de Medeiros,com minha filha de 11 anos para que ela pudesse tomar sua medicação para o tratamento da febre reumática,quando já na entrada fui abordado por populares que lá encontravam-se a horas,uma senhora de aproximadamente 70 anos que me falou que não estava havendo atendimento,me dirigi até a recepção onde pedi as devidas explicações pela negativa do atendimento,a recepcionista falou-me com um ar quase que de satisfação que o plantão estava suspenso por não haver um guarda municipal que pudesse garantir a segurança da equipe que estava de plantão.
    Parece uma explicação razoável,não fora o fato de que toda a equipe quase que unânime não estivesse transitando entre as pessoas pelas quais sentiam-se ameaçados,essa postura adotada pela equipe transmitiu a pais e mães de familias,jovens idosos em fim de todos que lá se encontravam o incomodo sentimento de estarem sendo marginalizados.
    Depois de muita briga travada por populares, entre eles esse “cidadão” brasileiro que vos fala, às 21:30h aproximadamente é que vieram providenciar um guarda que pudesse substituir o faltoso e iniciar o atendimento. Toda essa situação não deixa de ser irônica, um plantão onde estavam médicos e enfermeiros,recepcionistas e auxiliares de serviços gerais a falta de um profissional que convenhamos, sem querer diminuir o valoroso papel de um guarda municipal, a verdade é que na policlínica seu papel gira praticamente em torno de abrir e fechar a porta de acesso dos pacientes.
    Enfim,depois de muita luta conseguimos algo que para mim parecia impossível.

  4. Roberto Russo disse:

    Fazer com que alguns vereadores do Cabo passassem por lá.(Gessé Valério,Keko do Armazém o ex vereador Fernades e depois o professor Arimáteia). Infelizmente,não chegaram a tempo de presenciar a revolta do povo,passando assim a impressão de que o problema não tinha a devida relevância.Passou tambem por lá o reporte do Tribuna Popular que entrevistou o vereador Gessé alguns populares entre eles estava esse que vos escreve,só não entendo porque nada foi publicado, talvez ele tambem tenha achado algo sem importância.
    Mas para mim, o que importa mesmo é o sentimento de poder ter mostrado para minha filha,que seu pai esta disposto a comprar qualquer briga para garantir que seus direitos sejam garantidos.
    Pra resumir fica a sensação de que o governo municipal, coloca para nos atender pessoas que teen como principal característica a insensibilidade e falta de respeito ao cidadão,não havendo qualquer tipo de fiscalização ou punição para os que maltratam o povo ordeiro e sofrido de nossa cidade!

Os comentários estão encerrados.