Íntegra do relatório de impacto ambiental da “incineradora” de lixo que pode ser instalada no Cabo


Trechos do Rima

Caracterização do empreendimento
3.1.2 Localização e acessos
As áreas selecionadas possuem fácil logística, por estarem localizadas às margens da BR-
101, e com acessos já definidos e regularizados junto ao órgão competente – DNIT.

Área 1 – Unidade de Beneficiamento
Denominação do empreendimento CTDR – Central de Tratamento e
Destinação de Resíduos
Código da CPRH 8.112/08
Estados da União Pernambuco
Municípios de localização do empreendimento ÁREA 1 – Recife

ÁREA 2 – Cabo de Santo Agostinho
Área do Projeto ÁREA 1 – 55.038,00m²
ÁREA 2 – 25.416,03m²
Estimativa para a criação de empregos diretos
DIRETOS – 320
INDIRETOS – 240
Capacidade 2.856 toneladas por dia de lixo urbano

A principal fonte poluente do empreendimento será a Unidade de Cogeração, prevista para ser instalada no Cabo de Santo Agostinho (PE). Poderão ser liberados, segundo o Rima, no processo de combustão do CDR (Combustível Derivado de Resíduos), componentes tóxicos como gases ácidos, dioxinas e furanos, metais e materiais particulados neutros.

Essa emissão é regulamentada e controlada pelas Leis e Normas de Proteção Ambiental. Uma instalação para retenção destes poluentes, transformando-os em substâncias neutras e inofensivas, ou fixando-os num sorbente adequado será, portanto, parte indispensável do processo de cogeração.

Foram identificados e quantificados 19 impactos, dos quais oito (08) impactos positivos
todos ligados exclusivamente ao meio antrópico. Dos 11 impactos negativos dez (10) são
observados na fase de Instalação e sete (07) na fase de Operação.

Das dez ações impactantes negativos da fase de Instalação somente um foi considerado
permanente (Possibilidade de contaminação do solo e do aqüífero por produtos químicos e
resíduos) considerando a impossibilidade de descontaminação dos solos e aqüíferos, caso estes venham a ser contaminados.

As demais ações impactantes são temporárias para esta fase, que por si só é uma etapa temporária, cessando quando a obra estiver concluída.

Impactos negativos na fase de Instalação
1. Elevação da concentração de material particulado e efluentes gasosos na atmosfera
2. Alteração do nível de ruídos nas áreas e vias de acesso
3. Movimentação de terra e escavações
4. Risco de contaminação do meio aquático (rios Pirapama e Tejipió)
5. Risco de assoreamento do rio por erosão pluvial do solo
6. Possibilidade de contaminação do solo e do aqüífero por produtos químicos e resíduos
7. Alterações nas Condições Estruturais do Solo
8. Possibilidade de interferência dos trabalhadores com a APA – só para Recife
9. Possibilidade de riscos de acidente
10. Possibilidade de desvalorização dos terrenos no entorno

Vídeos da reunião do Flic

Anúncios

Sobre Da Redação do TP

Contatos com a Redação: (81) 3518-1755 ou jornalismo@jornaltribunapopular.com
Esse post foi publicado em Últimas Notícias. Bookmark o link permanente.

2 respostas para Íntegra do relatório de impacto ambiental da “incineradora” de lixo que pode ser instalada no Cabo

  1. O derradeiro alerta!
    http:/defensoresdepontezinha.blogspot.com.

  2. Moisés disse:

    Como cabense, não poderia de deixar aqui minha indignação. Estou acompanhando os estudos feitos após pesquisas em relação a incineradora de lixo que o prefeito Lula Cabral quer colocar aqui no Cabo de Santo Agostinho. Ao mesmo tempo, em época de eleição, sei que tem muita gente pra criticar. Antes de falar dessa fabrica, por quer não falar nos problemas atuais. O rio Pirapama recebe esgostos de diversas residencias, assim como de diversas empresas poderosas aqui do Cabo, alem falar da borras de cana de açúcar jogada nos nosos rios cabenses, que faz com que diversas formas de peixes deixe de existir. E os pobres pescadores que, vivem com esse problema. Ninguem comenta?. De Pirapama até ponte dos carvalhos, milhares de garrafas flutuam. Toneladas de degetos são colocados nesse rio. Cada dia o rio pirapama morre um pouco. Estou citando aqui um dos rios cabenses, sem citar outros.
    O Brasil produz aproximadamente 240 mil toneladas de lixo por dia, número inferior ao dos EUA (607 t/dia), mas bem superior ao de países como a Alemanha (85 t/dia) e a Suécia (10,4 t/dia). Dentre os resíduos sólidos (lixo) produzidos no país, 76% são jogados nos lixões (amontoados de lixo num terreno, sem nenhum tipo de tratamento) e outros 13% nos chamados “aterros controlados”
    A incineração é o destino mais procurado para a Dinamarca (53 por cento), Luxemburgo e Suécia (ambos com 47 por cento). Mas houve países que não queimaram resíduos de todo, como a Bulgária, Irlanda e a Grécia.
    Os gases dioxinas e furanos é mais um problema para os cabenses, só espero que antes de tanto bla bla bla, outros problemas sejam resolvidos, afinal a falma e flora do Cabo morre um pouco a cada dia. Não colocando a usina de incineração resolve nossos problemas? Será que já que teria que ser colocada? E, por quer não tratar o lixo de nossa cidade? Perdão ai o meu desconhecimento…

Os comentários estão encerrados.