EDITORIAL: O efeito Lula


“…Nós, juntos com o povo, com Lula Cabral, junto com Everaldo Cabral, junto com Danilo Cabral, vamos fazer a maior história de Pernambuco. E se tiver alguma multa, pode impor ao presidente da Câmara, Gessé Valério.” A afirmativa do presidente da Câmara Municipal do Cabo de Santo Agostinho, vereador e advogado Gessé Valério, ao término de sua fala no ato oficial de inauguração de obra pública, na sexta-feira (23), carregada de provocação e desafio, ecoa a prática do dirigente máximo da Nação, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que foi multado pelo menos meia dúzia de vezes pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE), por propaganda eleitoral antecipada.

Muito se tem comentado nos últimos dias sobre o perigo que isso representa, o achar que tudo se pode por algumas pessoas, principalmente quando a atitude vem de autoridades que deveriam dar o bom exemplo. Em entrevista à Agência Brasil, na terça-feira (20), o presidente do Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Ophir Cavalcante, ressaltou que a desobediência à lei na campanha eleitoral pode resultar “até mesmo na cassação de candidaturas, se o descumprimento ocorrer por um candidato ou por aqueles que o apoiam”.

Disse ainda que o cumprimento da Constituição deve ser a pauta de todos, inclusive do presidente da República, que afirmou deve seguir o caminho correto e estimular o cumprimento da lei. “Eleição não é vale-tudo, tem que ter parâmetro ético para todos os envolvidos”, reforçou, em resposta a uma pergunta sobre a participação do presidente Lula na campanha da candidata do PT à Presidência da República, Dilma Rousseff.

O candidato a deputado estadual Betinho Gomes (PSDB), anunciou que vai entrar com representação na Justiça Eleitoral contra o presidente da Câmara, Gessé Valério. Segundo ele, ao pedir voto para os candidatos Everaldo Cabral (estadual) e Danilo Cabral (federal) em ato oficial de inauguração de rua no município, teria tripudiado o Poder Judiciário e vai pedir a cassação do mandato e suspensão dos direitos políticos do vereador por cinco anos.

A campanha eleitoral está apenas começando. Que nossos candidatos e representantes públicos revejam conceitos e atitudes e dêem o bom exemplo esperado pela sociedade que recentemente exigiu e conquistou a Lei da Ficha Limpa.

Sobre Da Redação do TP

Contatos com a Redação: (81) 3518-1755 ou jornalismo@jornaltribunapopular.com
Esse post foi publicado em Últimas Notícias. Bookmark o link permanente.

Uma resposta para EDITORIAL: O efeito Lula

  1. Com os exemplos que vêm do alto, que se pode desejar de a campanha onde o elenco principal é formado por figurinhas marcadas pela corrupção?
    Como em nosso país o desrespito às leis é uma tônica, as instituições estão todas marcadas por parcialidades incontestáveis, poderes podres mas mãos de homens sem caráter e ética.
    Nada demais um presidente de câmara por sinal uma das mais sujas e inoperantes do Brasil se achar acima das leis e da própria constituição.
    O povo tem o que merece, quem elege ou re-elege homens cujas vidas públicas estão marcadas por corrupção e improbidades nem mesmo se respeitando não merece respeito, é apenas gado segue o primero que lhe acene com um feixe de capim (nesse caso R$ 30,00 antes R$30,00 reais depois assinando assim com seu voto a imunidade que é consquistada ao serem eleitos e muito pior ainda re-eleitos), para continuarem mentindo, roubado desrespeitando todas as leis e com galhofa demoralizando os cidadãos honrados, pois a justiça há muito é apenas um nome nada mais.

Os comentários estão encerrados.