TRE-DF nega candidatura de Joaquim Roriz com base na Lei da Ficha Limpa


da Agência Brasil

Brasília – O Tribunal Regional Eleitoral do Distrito Federal (TRE-DF) negou hoje (4) o registro do candidato ao governo do Distrito Federal, Joaquim Roriz (PSC). O placar de votação foi de 4 a 2. Segundo a última pesquisa eleitoral para o cargo, divulgada pelo Ibope na sexta-feira (30), Roriz tem 38% dos votos e o ex-ministro dos Esportes, Agnelo Queiroz (PT), 27%.

A decisão ainda cabe recurso ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE), o que permite que o candidato continue a campanha até o julgamento final do caso. Teoricamente, a corte superior eleitoral teria que julgar todos os recursos relativos à candidatura até o dia 19 de agosto, mas devido ao prazo apertado, o julgamento pode ir para depois dessa data, o que pode gerar cassação do diploma caso o candidato tenha sido eleito.

Apesar de os ministros do TSE terem avisado que cada caso seria analisado de acordo com as respectivas peculiaridades, há grandes chances de o tribunal manter a decisão. Isso porque o TSE já adotou postura rígida quanto à aplicação da Lei da Ficha Limpa em duas oportunidades – na aplicação da lei já neste ano e na retroatividade em casos que já transitaram em julgado.

Além disso, o presidente da corte, ministro Ricardo Lewandowski, é um dos entusiastas da lei e afirmou, na semana passada, que “para o TSE, a lei é constitucional, se aplica esse ano, e não há porque falar em retroação pois não se trata de sanção [a inelegibilidade]. Esta é uma condição que os candidatos devem apresentar para terem deferidos seus registros”.

O argumento de que o impedimento de concorrer ao cargo é o cerceamento de um direito será abordado pela defesa de Roriz ao levar o caso para o TSE. “Dizem que os critérios da Lei da Ficha Limpa são condições de elegibilidade, que não é a retirada de um direito. Nós discordamos, pois estão retirando o direito dele [Roriz] de ser votado”, afirmou o advogado do candidato, Eládio Carneiro.

O advogado disse ainda que pelo fato de a lei ser nova, ainda há brechas na interpretação. “O tribunal se dividiu, não foi unânime, diante dessa divisão pode concluir que a tese não foi consolidada. O Supremo [Tribunal Federal] vai definir isso em última instância”, afirmou Carneiro que falou ainda que levará o caso à Suprema Corte caso o TSE indefira o registro.

A Lei da Ficha Limpa deve dividir opiniões no Supremo Tribunal Federal. Pelo menos dois dos ministros, Ricardo Lewandowski e Carlos Ayres Britto já sinalizaram que são favoráveis à lei. Entretanto, em julgamento sobre a possibilidade de juízes eleitorais barrarem candidatos ficha-suja, em 2008, a maioria dos ministros se posicionou a favor da presunção de inocência até o trânsito em julgado. Segundo a lei, uma condenação em órgão colegiado basta para tornar o candidato inelegível.

Outro argumento que deve ser levantado contra a Lei da Ficha Limpa é o princípio da não retroatividade para prejudicar casos que já transitaram em julgado ou que tinham outra legislação mais branda em vigor quando ocorreram, caso de Roriz. O então senador renunciou ao cargo em 2007 para escapar de uma cassação, manobra que foi enquadrada pela Lei da Ficha Limpa como fator de inelegibilidade.

Anúncios

Sobre Da Redação do TP

Contatos com a Redação: (81) 3518-1755 ou jornalismo@jornaltribunapopular.com
Esse post foi publicado em Eleições 2010, Judiciário, Política. Bookmark o link permanente.