Cabo é 5º lugar no Brasil como a cidade mais violenta em assassinato de jovens


Recife (4º) e Cabo de Santo Agostinho (5º) aparecem no ranking nacional das cidades mais violentas em assassinato de jovens, segundo o mais completo estudo feito com o tema produzido pelo instituto Sangari.

No Nordeste, segundo o diretor da instituição, o sociólogo Julio Jacobo Waiselfisz, a violência aparece em cidades polos de investimento. “Municípios que se desenvolvem junto com esse desenvolvimento (sic) atrai a criminalidade”, diz o pesquisador, em reportagem especial no Jornal Nacional, da TV Globo que mostra que a segurança é grande preocupação da região com os maiores índices de violência do país.

Anúncios

Sobre Da Redação do TP

Contatos com a Redação: (81) 3518-1755 ou jornalismo@jornaltribunapopular.com
Esse post foi publicado em Últimas Notícias. Bookmark o link permanente.

10 respostas para Cabo é 5º lugar no Brasil como a cidade mais violenta em assassinato de jovens

  1. É isso aí, enquanto no passado fomos reconhecidos como a cidade do futuro, a cidade amiga das crianças, a cidade das aguas, hoje infelismente ostentamos este titulo da 5ª cidade entre mais de 5 mil muinicipios brasileiros como a mais violenta, e quem são os culpadosm antes tinhamos uma operação chamada policia amiga, e hoje? onde estãos os gestores desta cidade que não fazem nada, de quem é a culpa?

    Causas da Violência no Brasil (e no cabo tambem)

    Nos últimos anos, a sociedade brasileira entrou no grupo das sociedades mais violentas do mundo. Hoje, o país tem altíssimos índices de violência urbana (violências praticadas nas ruas, como assaltos, seqüestros, extermínios, etc.); violência doméstica (praticadas no próprio lar); violência familiar e violência contra a mulher, que, em geral, é praticada pelo marido, namorado, ex-companheiro, etc…

    A questão que precisamos descobrir é porque esses índices aumentaram tanto nos últimos anos. Onde estaria a raiz do problema?…

    Infelizmente, o governo tem usado ferramentas erradas e conceitos errados na hora de entender o que é causa e o que é conseqüência. A violência que mata e que destrói está muito mais para sintoma social do que doença social. Aliás, são várias as doenças sociais que produzem violência como um tipo de sintoma. Portanto, não adianta super-armar a segurança pública, lhes entregando armas de guerra para repressão policial se a “doença” causadora não for identificada e combatida.

    Já é tempo de a sociedade brasileira se conscientizar de que, violência não é ação. Violência é, na verdade, reação. O ser humano não comete violência sem motivo. É verdade que algumas vezes as violências recaem sob pessoas erradas, (pessoas inocentes que não cometeram as ações que estimularam a violência). No entanto, as ações erradas existiram e alguém as cometeu, caso contrário não haveria violência.

    Em todo o Mundo as principais causas da violência são: o desrespeito — a prepotência — crises de raiva causadas por fracassos e frustrações — crises mentais (loucura conseqüente de anomalias patológicas que, em geral, são casos raros).

    Exceto nos casos de loucura, a violência pode ser interpretada como uma tentativa de corrigir o que o diálogo não foi capaz de resolver. A violência funciona como um último recurso que tenta restabelecer o que é justo segundo a ótica do agressor. Em geral, a violência não tem um caráter meramente destrutivo. Na realidade, tem uma motivação corretiva que tenta consertar o que o diálogo não foi capaz de solucionar. Portanto, sempre que houver violência é porque, alguma coisa, já estava anteriormente errada. É essa “coisa errada” a real causa que precisa ser corrigida para diminuirmos, de fato, os diversos tipos de violências.

    No Brasil, a principal “ação errada”, que antecede a violência é o desrespeito. O desrespeito é conseqüente das injustiças e afrontamentos, sejam sociais, sejam econômicos, sejam de relacionamentos conjugais, etc. A irreverência e o excesso de liberdades (libertinagens, estimuladas principalmente pela TV), também produzem desrespeito. E, o desrespeito, produz desejos de vingança que se transformam em violências.
    Nas grandes metrópoles, onde as injustiças e os afrontamentos são muito comuns, os desejos de vingança se materializam sob a forma de roubos e assaltos ou sob a forma de agressões e homicídios. Já a irreverência e a libertinagem estimulam o comportamento indevido (comportamento vulgar), o que também caracteriza desrespeito e produz fortes violências.

    Observe que quando um cidadão agride o outro, ou mata o outro, normalmente o faz em função de alguma situação que considerou desrespeitosa, mesmo que a questão inicial tenha sido banal como um simples pisão no pé ou uma dívida de centavos. Em geral, a raiva que enlouquece a ponto de gerar a violência é conseqüência do nível de desrespeito envolvido na respectiva questão. Portanto, até mesmo um palavrão pode se transformar em desrespeito e produzir violência. Logo, a exploração, o calote, a prepotência, a traição, a infidelidade, a mentira etc., são atitudes de desrespeito e se não forem muito bem explicadas, e justificadas (com pedidos de desculpas e de arrependimento), certa­mente que ao seu tempo resultarão em violências. É de desrespeito em desrespeito que as pessoas acumulam tensões nervosas que, mais tarde, explodem sob a forma de violência.

    Sabendo-se que o desrespeito é o principal causador de violência, podemos então combater a violência diminuindo os diferentes tipos de desrespeito: seja o desrespeito econômico, o desrespeito social, o desrespeito conjugal, o desrespeito familiar e o desrespeito entre as pessoas (a “má educação”). Em termos pessoais, a melhor maneira de prevenir a violência é agir com o máximo de respeito diante de toda e qualquer situação. Em termos governamentais, as autoridades precisam estimular relacionamentos mais justos, menos vulgares e mais reverentes na nossa sociedade. O governo precisa diminuir as explorações econômicas (as grandes diferenças de renda) e podar o excesso de “liberdades” principalmente na TV e no sistema educativo do país. A vulgaridade, praticada nos últimos anos vem destruindo valores morais e tornando as pessoas irresponsáveis, imprudentes, desrespeitadoras e inconseqüentes. Por isso, precisamos, também, restabelecer a punição infanto-juvenil tanto em casa quanto na escola. Boa educação se faz com corretos deveres e não com direitos insensatos. Precisamos educar nossos adolescentes com mais realismo e seriedade para mantê-los longe de problemas, fracassos, marginalidade e violência. Se diminuirmos os ilusórios direitos (causadores de rebeldias, prepotências e desrespeitos) e reforçarmos os deveres, o país não precisará colocar armas de guerra nas mãos da polícia para matar nossos jovens cidadãos (como tem acontecido tão freqüentemente).

    Valvim M Dutra
    Extraído do capítulo 9 do livro Renasce Brasil.

  2. Alto lá! A tal polícia amiga pelo menos aqui em Pontezinha só funcionou da forma que deveria por uns três meses.
    Depois, nada.
    Sobre o restante do Brasil, não estou qualificado mais, uma coisa é certa.
    Enquanto a impunidade imperar, mesmo que se coloque um policial em cada esquina a violência continuará.

  3. Kátia disse:

    Pra quem era o primeiro… tá indo devagar mas tá saindo dessa lista negra.

  4. Roberto Russo disse:

    Moro em uma cidade onde a juventude é “prioridade”, o governo Lula Cabral priorizou e muito suas atenções aos jovens, veja porque: Fechou todos os centros de informática que funcionavam em toda a cidade e dava ao jovem o direito da inclusão digital, em Ponte dos Carvalhos abandonou o belo Parque dos Eucaliptos que servia a familias inteiras, hoje entregue a traficantes de drogas e aliciadores de menor, só gente muito corajosa consegue ficar a vontade lá, Praça Marcos Freire idem, transformou-se em um emaranhados de bares convidativo ao consumo de álcool e de outros tipos de drogas.
    Por outro lado, incentiva o festival da juventude que em 3 dias de festa leva dos cofres públicos da cidade todo o dinheiro que não foi investido de forma séria em capacitação profissional visando as oportunidades de emprego que nossa cidade tem oferecido e logo-logo não mais existirão, desafio os partidários de plantão do Senhor Prefeito que certamente irão me contestar a apontar nesse espaço as oportunidade de lazer oferecidas pelo governo aos jovens do Cabo.
    Esses são só alguns dos motivos que certamente estão levando nossos jovens para o mundo das drogas, da violência e conseqüentemente a morte.

  5. Rosilda Frieldman disse:

    E agora?
    A notícia foi ao ar no Jornal Nacional da Rede Globo,
    seria esse instrumento de imprensa também um “JORNAL DA OPOSIÇÃO”?
    Porque essa é a visão de alguns que vibram com o governo municipal,
    Chamar o respeitado Jornal Tribuna Popular de “jornal da oposição”
    sempre que veicula com provas atos não muito bons do governo municipal,
    eles partem para agressão.E agora, vão também dizer que a rede globo é
    da oposição?
    Senhora Kátia, nem vou dizer que me decepcionei, porque decepção só temos
    quando esperamos algo de bom que uma pessoa possa fazer, mas como esperar algo de bom de uma pessoa que torce pela reeleição de um certo Everaldo?
    Em vez de decepção, digo INDGNIÇÃO mesmo, como a senhora é capaz de
    atribuir adjetivos ruis a palavra NEGRA, além de desnorteada politicamente a senhora
    ainda é RACISTA?
    É bem o estilo desse povo mesmo!!!
    Reescreva seu comentário e peça desculpas a população NEGRA do mundo.

    Torço muito para que minha amada Cabo de Santo Agostinho, volte
    um dia a ser notícia boa em rede nacional, igualmente quando contava
    com 100% das crianças de 7 a 14 anos escola!

  6. João de Goitá disse:

    É lamentável para mim que sempre tive um trabalho voltado para jovens e crianças hoje cansado de correr na contra mão. E para não ficar estático e não ver também a terceira idade ficar sem opção juntamos um grupo para reviver os bons tempos dos Embalos de Sábado a Noite, experiência que já está dando certo. Até pra jogar futebol amador em Pontezinha tá dificil por que não existe um campo de futebol. E falta de opção de lazer é um item que contribuir para o aumento da violêcia.

  7. Samuel Lins disse:

    Que pena senhora Katia, seu prefeito a única coisa que faz na cidade é iluminar “beira de pista” e o deputado “mudo” tomar cachaça. Por isso que somos o 5º colocado e podemos chegar logo em primeiro lugar, se depender do deputado e do prefeito do Cabo sermos campeão. Nos ultimos cinco anos, a juventude de nossa cidade foi abandonada, os espaços que servia pra eles foram fechados, não existe em nossa cidade políticas públicas de educação, esporte e lazer voltadas para os jovens, com tanto abandono o resultado é este senhora Kátia, o Cabo foi notícia negativa em rede nacional, só faltam dizer que a ede Globo é de oposição. O assunto é muito grave e merece toda a atenção dos homens públicos. Senhora Kátia sua comparação foi horrivel, por que “lista negra”? certzamente a senhora deve ser branca né? Não seja racista tá? defenda seus politicos mais não esqueça de respeitar as pessoas.

  8. Janaina disse:

    No governo de Elias o Cabo chegou a ser o 2º colocado. O prefeito investiu e saimos da lista negra porém voltamos. Não julgarei o trabalho do prefeito que mais fez pelo cabo por causa disso. o ajudarei a melhorar mais ainda a minha cidade que virou OUTRA depois que ele entrou. Glorifico a Deus pela vida dos dois. Tanto Lula quanto Everaldo ajudam muito nossa população. só não vê isso quem trabalha com Elias e Betinho e faz fofoca todo o tempo e só saeb criticar o alheio.

  9. Rosilda Frieldman disse:

    Senhora Janaína, ja que a senhora glorifica a Deus pelos citados políticos, eu aproveito e glorifico a Deus para que a senhora seja menos racista e não use a palavra NEGRA como sinônimo de ruim, como fez a senhora Kátia.
    Se a senhora glorifica a Deus pela violência na cidade, eu peço a Deus que reduza esses números cruéis, para quando Betinho Gomes for prefeito, ele encontre uma cidade mais humana e fraterna.
    Outra coisa, criticar é bem diferente de fofocar.
    Agora, se a senhora é uma fofoqueira, porque faz elogios sem levantar números, sem mostrar dados (dados são números, estatísticas), o problema é seu.

  10. Glória disse:

    Eu nao acho Negra um preconceito. Rosilda fica 24 horas no site somente criticando o governo que tanto faz. isso sim é fofoca! E a senhora tem bola de Cristal pra dizer que Betinho seá o próximo prefeio do Cabo? Que eu saiba ainda flatam dois anso e o povo do Cabo ainda nao é louco de colocar um menino que nao sai debaixo da calça do pai pra ser prefeito. E pior… um menino que nada fez quando era deputado! Faz-me rir!

Os comentários estão encerrados.