Os sons da Alma e a sociedade ouvinte (Final) – Paiva Netto


Paiva Netto

Prossigo com trechos da entrevista concedida pelos atores Sueli Ramalho e Rimar Segala, irmãos surdos de nascença, ao programa “Sociedade Solidária”, da Boa Vontade TV (canal 23 da SKY).
Cônscios do valor da arte no processo de incluir socialmente os que não possuem a audição, em especial crianças, Sueli e Rimar montaram a peça “A Orelha”. Comenta Sueli: “Começamos a dar aulas de Libras [Língua Brasileira de Sinais] aos pais das crianças e, ao mesmo tempo, a ensiná-los a apresentar uma peça de teatro para os filhos. A peça mostra, através do humor, a realidade da cultura surda e como você pode abordar um surdo. A língua de sinais me ajudou a falar. Não proíbam o uso das mãos. É o nosso recurso, nossa visão”.

LIBRAS

Em 24 de abril de 2002, tivemos a promulgação da Lei 10.436, que oficializou a Língua Brasileira de Sinais (Libras). Entretanto, equivocam-se os que a consideram uma tradução [por gestos] da língua portuguesa. Ela tem estrutura e gramática próprias. Rimar Segala explica: “O português é uma língua oral, a Libras é visual [gestos, expressão corporal e facial] (…)”.
O que poucos sabem é que os surdos também têm sotaques diversos: “Citemos, como exemplo, o gesto para significar ‘mamãe’. Existe uma série de sinais linguísticos para essa palavra”. E para demonstrar a riqueza da Libras, apresentou diferentes formas de dizer “boa tarde” nos Estados do país.

REALIDADE BRASILEIRA

Analisando a realidade de muitas famílias, Rimar assinala: “Todas as mulheres quando engravidam sonham ter um filho saudável, lindo. Quando nasce com problema de surdez, elas levam um susto pela diferença e, então, bate o desespero. Sem preparo, tratam a criança surda no modelo da ouvinte. Não percebem que esse diferencial é simplesmente outra cultura. Esse programa está sendo muito importante ao passar informações para todas as mães que estão nos assistindo. Se vocês tiverem um filho surdo, por favor, procurem aprender a língua de sinais, entender todas as culturas. Respeitar essa grande diferença é um extraordinário investimento para o futuro do surdo, para unir a família”.
Outro ponto de relevância é a inserção no mercado de trabalho. “Será que surdo pode trabalhar? Qual o cargo certo? Posso deixar o telefone na mesa? O desconhecimento é muito grande. A peça ‘Palhaços no RH’, que criamos, mostra qual é o parâmetro que podemos utilizar numa empresa que tem uma pessoa com deficiência auditiva”, acrescenta Rimar.
Breve abordarei aqui a dificuldade do acesso das crianças com deficiências às escolas comuns.
Continuando, os dois irmãos atores trazem, ainda, dicas de bom convívio: “O surdo é visual. Não adianta nem gritar, caso não esteja na visão dele. Se houver um interruptor por perto, acender e apagar as luzes faz parte da cultura surda”, explica Sueli. “Ou então chegue perto do surdo e chame-o. Também é importante que todos os funcionários possam conhecer pelo menos o básico da Libras. ‘Oi, tudo bem?’ é um cumprimento que nos faz sentir inseridos na sociedade”, completa Rimar.
Por fim, o ator Rimar Segala revelou coincidência envolvendo a estampa de Jesus, o Cristo Ecumênico, bastante difundida pela LBV. “Desde pequeno sempre via na televisão um símbolo muito importante, a imagem de Jesus Cristo. Hoje vi a mesma imagem aqui. Quero agradecer à LBV, porque é fundamental para todo o Brasil pensar em inclusão. Estou muito agradecido. Parabéns!”.
Grato a vocês por compartilhar tanta perseverança e coragem. Uma experiência de vida que inspirará muita gente. Para outras informações, acesse http://www.ciartesilencio.com.
O assunto vem despertando interesse entre os leitores, a exemplo de Haroldo Rocha (Porto/Portugal), Marcos Antônio Franchi e Mário Augusto Brandão (Glorinha e Gravataí/RS, respectivamente) e Regina Santos (São Paulo/SP). Minha saudação a todos.

HASKALÁ

Na segunda-feira, 9/8, no Midrash Centro Cultural, na zona sul do Rio de Janeiro/RJ, o professor, escritor e membro da Academia Brasileira de Letras (ABL) Arnaldo Niskier recebeu familiares, amigos e integrantes da comunidade judaica carioca para o lançamento de sua mais recente obra: “Haskalá, o Iluminismo Judaico – A grande aventura do espírito”.
Em entrevista à Super Rede Boa Vontade de Comunicação (rádio, TV, publicações e internet), o autor explicou o objetivo do novo título: “Ofertar, em língua portuguesa, pela primeira vez, uma noção mais fundamentada do que representou esse movimento para a cultura judaica”.
Parabéns, professor Arnaldo. Grato pela dedicatória no exemplar que me chegou às mãos por intermédio de nosso amigo em comum, dr. Ariel Apelbaum: “Ao amigo Paiva Netto, com o melhor abraço do Arnaldo Niskier”.
Lerei com muito interesse.

José de Paiva Netto — Jornalista, radialista e escritor.
paivanetto@lbv.org.brhttp://www.boavontade.com

Esse post foi publicado em Últimas Notícias. Bookmark o link permanente.