Produção de biocombustível é tema no 18º Agrinordeste


O Brasil é considerado o país com o maior potencial do mundo para produzir biocombustível, podendo dominar uma fatia expressiva deste mercado novo e crescente.

DA REDAÇÃO DO TP

A produção de bicombustível como fonte alternativa de energia que ajude a reduzir a dependência por combustíveis fósseis é o tema do painel do professor do Departamento de Biologia Marinha da Universidade Federal Fluminense, no Rio de Janeiro, Sérgio de Oliveira Lourenço, no último dia do 18º Agrinordeste, no Centro de Convenções de Pernambuco, nesta sexta-feira (27), pela manhã.

Biocombustível é qualquer combustível produzido de fontes renováveis de biomassa. De acordo com Lourenço o Brasil é provavelmente o país com o maior potencial do mundo para produzir biocombustível, podendo dominar uma fatia expressiva deste mercado novo e crescente.

No entanto, estudos envolvendo algas como matrizes de biocombustível estão em sua infância no Brasil. “Em países como índia, EUA, México, Indonésia, Reino Unido, Noruega, Irlanda e vários outros países há grande produção de macroalgas para a indústria de ficocoloides (Substâncias mucilaginosas extraídas de algas) ou para alimentação humana”, ressalta.

As microalgas são consideradas as matrizes mais promissoras para a produção de biocombustíveis dentre todos os organismos fotossintetizantes. Microalgas podem triplicar sua biomassa em menos de 24 horas, dependendo da espécie.

Apesar do grande interesse pelo tema, nenhuma empresa está produzindo biodiesel a partir de microalgas em escala comercial devido alguns problemas técnicos que juntos fazem com que os custos de produção de biocombustíveis seja alto.

Espera-se que o Brasil participe de forma ativa da corrida tecnológica pelos biocombustíveis de microalgas. Para tanto, é preciso investir já nos grupos de pesquisa existentes, estimular seu crescimento e articular suas atividades numa rede de trabalho para evitar duplicações de investimentos.

Coleções modernas de microalgas também devem ser apoiadas para dá suporte ao desenvolvimento esperado. A expectativa de alta dos preços do petróleo e a intensa discussão sobre a necessidade de reduzir as emissões de gases de efeito estufa contribuem para a projeção do uso no futuro de microalgas na matriz energética mundial.

“Há tempo para se investir na produção de bicombustíveis a partir de microalgas, articular ações e fazer do Brasil um protagonista nesta especialidade em vez de um grande expectador”, salienta Lourenço.

REALIZAÇÃO E APOIOS – Realizado anualmente no Recife pela Federação da Agricultura do Estado de Pernambuco (Faepe), o Agrinordeste atrai especialistas e palestrantes de vários estados brasileiros e do exterior para discutir alternativas ao desenvolvimento do agronegócio regional e nacional.

O evento , iniciado ontem, conta com o apoio do SEBRAE/PE, Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil – (CNA), Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (SENAR), Secretaria de Agricultura e Reforma Agrária, Banco do Nordeste, Banco do Brasil, Ministério da Pesca e Aqüicultura, Ministério da Ciência e Tecnologia e Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.

Este ano, a expectativa dos organizadores é reunir pelo menos, 2,7 mil participantes. Além das palestras, o Agrinordeste terá ainda, em paralelo, oficinas temáticas, mini-cursos, exposição do Projeto Biomas do Brasil e uma feira de produtos do agronegócio, a exemplo de cachaça, mel, rapadura, flores tropicais, bambu, artesanato em couro, fruticultura, turismo rural, carcinicultura, entre outros e o já conhecido Show de Lácteos, com produtos derivados do leite.

Uma das novidades do 18° Agrinordeste será o I Concurso de Queijos de Pernambuco, realizado entre participantes do Show de Lácteos, sob a coordenação do Sebrae/PE. A feira de produtos derivados do leite contará com 25 estandes de marcas conhecidas do mercado que reunirão os principais produtores de lacticínios de Pernambuco.

As palestras ocorrem simultaneamente em diversos auditórios do Centro de Convenções de Pernambuco. Cada participante escolhe o tema específico e assiste à apresentação de sua área de interesse.

As inscrições para a 18ª edição do Agrinordeste custam R$ 60,00 para profissionais e R$ 30,00 para estudantes. As vagas são limitadas por área temática, com prioridade para os participantes envolvidos com cada setor. Quem se inscrever para uma determinada área temática, terá direito a participar também das oficinas e mini-cursos de cada setor. As oficinas e mini-cursos também custam o mesmo valor. Informações: (81) 3972-5377 (Infinito Promoções) ou através do site http://www.agrinordeste.com.br.

Anúncios

Sobre Da Redação do TP

Contatos com a Redação: (81) 3518-1755 ou jornalismo@jornaltribunapopular.com
Esse post foi publicado em Economia, Fontes energéticas, Meio amabiente. Bookmark o link permanente.