ARTIGO: As lições que se colhem do Caso Serrambi


Por MIGUEL SALES*

A causa antecedente do crime foi a falta de solidariedade, companheiros. Pois, mesmo sendo as vítimas hospedes de Tiago Carneiro, nem ele ou seus amigos tiveram o estímulo de prestar-lhes socorro quando elas estavam atônitas.

Apesar dos adolescentes de hoje entenderem que têm a liberdade de fazerem o que bem entendem, a realidade, como sempre, requer mais prudência nas trilhas de certos caminhos.

A ineficiência do nosso sistema investigatório, que pode induzir o Ministério Público e ao Judiciário, a incidir em erros, às vezes, irreversíveis, podendo levar inocentes à condenação e deixar impunes certos autores do crime.

Apesar da Constituição da República proclamar que todos são iguais perante a lei, os aplicadores da lei não levam em consideração garantia constitucional. Pois, se os acusados que foram inocentados, se fossem ricos não teria passado tanto tempo preso sem culpa formada, e se eles fossem moradores da casa de praia de Serrambi, com certeza, sem discutir mérito, ela teria sido virada de cabeça para baixo, ou, no mínimo, a investigação teria começado por ali.

Um erro geralmente leva à sucessão de tantos outros erros. Se os locais em que foram encontrados os corpos fossem preservados e periciados, em sua inteireza, pelos peritos do Instituto de Criminalística de Pernambuco, haveria, sem dúvida, possibilidade técnica e em grau de certeza, de chegar à autoria do crime.

O nosso sistema penal é moroso e ultrapassado, pois mesmo estando os acusados presos, depois de tantos anos é que são julgados. E como fica em relação a parte da pena que cumpriram indevidamente? Quando, se ocorrer, o Estado vai indenizá-los?

É possível com perseverança, ultrapassar as ameaças, as difamações, as injúrias, e se buscar a real justiça, pois esta não é a pompa, a toga, a empáfia, o fórum, mas aquela que lateja nas mentes e nos corações humanos.

Os jurados de Ipojuca fizeram justiça. Mas há uma pergunta que não quer calar: Quem matou Maria Eduarda e Tarsila Gusmão? O nosso sistema investigatório não foi capaz de responder a essa questão.

*MIGUEL SALES é promotor de Justiça aposentado – Ipojuca/PE.

O conteúdo dos artigos é de total responsabilidade de seus autores.

Anúncios

Sobre Da Redação do TP

Contatos com a Redação: (81) 3518-1755 ou jornalismo@jornaltribunapopular.com
Esse post foi publicado em Artigos. Bookmark o link permanente.

Uma resposta para ARTIGO: As lições que se colhem do Caso Serrambi

  1. JOSÉ RICARDO PAES DE ANDRADE disse:

    Dr. Miguel,

    Numa luta árdua, onde o senhor sempre se apresentou consistente e coerente nas suas afirmações, defendendo a ética, a moralidade, a justiça e os direitos de igualdade.
    Não se deixou intimidar, provocações foram muitas e pressões devem ter sido maiores.
    Foi rotulado como oportunista, o qual era visto como meramente políticas as suas ações.
    Eu, como um boa massa da população, como leigos do assunto e acompanhando pelos noticiários da imprensa escrita e falada, só temos mesmo de PARABENIZÁ-LO.
    Ainda, temos muitos HOMENS como o senhor em toda esfera jurídica brasileira, são poucos, mas temos.

Os comentários estão encerrados.