Dinheiro compra satisfação, mas não felicidade, diz estudo


Acima de R$ 130 mil anuais, dinheiro não faz mais diferença.
Pesquisa usou como base 1.000 residentes nos Estados Unidos.

Do G1, em São Paulo

imprimir Uma pesquisa conduzida pela Organização Gallup, nos Estados Unidos, revelou que o dinheiro pode garantir, em parte, a satisfação das pessoas, sem ser suficiente, no entanto, para garantir a felicidade. Segundo os especialistas, uma renda anual equivalente a R$ 130 mil pode, pelo menos, assegurar que as expectativas das pessoas sejam atendidas.

A pesquisa dividiu a sensação de bem-estar em duas categorias: satisfação emocional e a avaliação da vida. A primeira diz respeito às experiências individuais das pessoas, nas quais ocorrem irritação, alegria, raiva, tristeza. Já a segunda divisão do estudo lida com aquilo que as pessoas pensam sobre a vida, o que elas esperam.

Para as duas categorias, os pesquisadores tentaram descobrir se o dinheiro é capaz de garantir a felicidade. Após conseguirem 450 mil respostas de 1.000 residentes nos Estados Unidos, os estudiosos chegaram à conclusão de que a estabilidade financeira possui mais reflexos na avaliação da vida por parte dos entrevistados.

Os resultados do trabalho foram publicados na revista norte-americana Proceedings of the National Academy of Sciences, na edição de 7 de setembro de 2010.

Segundo os pesquisadores, questões como renda familiar e educação são mais referentes às expectativas das pessoas sobre o futuro do que aspectos mais imediatos do bem-estar como solidão, saúde e atenção, voltados à satisfação emocional.

Porém, o estudo também alerta que rendas baixas podem exacerbar a “dor emocional” de problemas como divórcios e doenças. A conclusão final dos especialistas é que o dinheiro compra satisfação, mas não felicidade, mesmo que pouco dinheiro esteja ligado com expectativas baixas. por parte das pessoas, sobre a vida e sobre o bem-estar.

Anúncios

Sobre Da Redação do TP

Contatos com a Redação: (81) 3518-1755 ou jornalismo@jornaltribunapopular.com
Esse post foi publicado em comportamento. Bookmark o link permanente.