Fundarpe abre inscrições para Patrimônio Vivo de Pernambuco


O título vitalício é concedido anualmente pelo Governo do Estado a três personalidades que fazem a história cultural de Pernambuco.

DA REDAÇÃO DO TP

Cobiçado por muitos, apesar da imensa responsabilidade do qual se reveste, o título de Patrimônio Vivo de Pernambuco (RPV) está com as inscrições abertas. Os agraciados se juntarão a nomes consagrados da cultura popular pernambucana como Selma do Coco, Camarão e J. Borges, além do Maracatu Leão Coroado e do Caboclinho Sete Flexas.

Podem se candidatar pessoas físicas ou grupos culturais, constituídos juridicamente ou não. Os interessados têm até o dia 22 de outubro para se inscrever.

O edital 2010, o regulamento e os formulários de inscrição estão disponíveis no site da Fundação do Patrimônio Artístico e Histórico de Pernambuco (Fundarpe), no endereço http://www.fundarpe.pe.gov.br.

O título vitalício é concedido anualmente pelo Governo do Estado a três personalidades que fazem a história cultural de Pernambuco.

Para concorrer, as candidaturas ao RPV devem ser propostas por prefeituras ou secretarias municipais de Cultura, a Secretaria Estadual de Educação, o Conselho Estadual de Cultura, a Assembléia Legislativa ou entidades sem fins lucrativos constituídas há pelo menos dois anos e que tenham como uma de suas finalidades a proteção ao patrimônio cultural ou artístico estadual.

PATRIMÔNIOS VIVOS
– Atualmente, Pernambuco conta com 21 patrimônios vivos em atividade. São eles o cineasta Fernando Spencer, a cirandeira Lia de Itamaracá, a circense Índia Morena, o sanfoneiro Camarão, os ceramistas Mestre Nuca e Zé do Carmo, os xilógrafos Dila, José da Costa Leite e J. Borges, a coquista Selma do Coco e os artesãos Zezinho de Tracunhaém e Manuel Eudócio.

Também são patrimônios vivos os seguintes grupos culturais: Banda Curica, de Goiana – mais antiga do Brasil; Teatro Experimental de Arte (TEA), de Caruaru; Confraria do Rosário, fundada por escravos; Clube de Alegorias e Crítica Homem da Meia Noite, de Olinda; Maracatu Leão Coroado e o Caboclinho Sete Flexas (sic), do Recife e Selma do Coco.

O Teatro Experimental de Arte (TEA) e o Caboclinhos Sete Flechas receberam o título em 2008. Ano passado, foram selecionados o Maestro Nunes, o Maracatu Estrela Brilhante de Igarassu, e o Clube Indígena Canindé. Mestre Salustiano, Ana das Carrancas e Canhoto da Paraíba – que também foram contemplados – faleceram em 2008.

TÍTULO É O RECONHECIMENTO EM VIDA

Instituída em 2002, a Lei do Registro do Patrimônio Vivo de Pernambuco tem como objetivo reconhecer e valorizar as manifestações populares e tradicionais da cultura pernambucana, bem como garantir que mestres e grupos repassem seus conhecimentos às novas gerações de aprendizes.

Aqueles que forem selecionados pelo conselho estadual de Cultura serão registrados pela Secretaria de Educação do Estado de Pernambuco e terão como responsabilidade firmar um compromisso com a salvaguarda das manifestações das quais são representantes.

O principal trunfo da Lei de Patrimônio Vivo é que se reconhece ainda em vida o trabalho dos mestres e grupos culturais da terra na construção de um patrimônio cultural.

A Lei prevê a concessão de bolsas vitalícias no valor de R$ 750,00 mensais para pessoas físicas e R$ 1.500,00 mensais para grupos culturais como incentivo do Governo de Pernambuco à realização e perpetuação de suas atividades.

Além disso, os registrados na Lei do Patrimônio Vivo assumem a missão de transmitir os seus saberes e fazeres a aprendizes em eventos ou em programas de ensino e aprendizagem promovidos pela Fundarpe. O objetivo é manter e preservar as expressões da cultura popular e tradicional pernambucana.

Para quem quiser conhecer um pouco mais da história de cada Patrimônio Vivo do Estado, o Portal Pernambuco Nação Cultural disponibiliza conteúdo a partir do endereço http://www.nacaocultural.pe.gov.br/patrimoniovivodepernambuco. Já parte do acervo de candidatos das edições anteriores se encontra digitalizado e fica acessível ao público para consulta na biblioteca da Fundarpe.
Outra rica fonte de informação é o Livro dos Patrimônios Vivos de Pernambuco, também disponível na internet pelo endereço: (www.nacaocultural.pe.gov.br/cartilha-patrimonios-vivos-de-pernambuco).

Anúncios

Sobre Da Redação do TP

Contatos com a Redação: (81) 3518-1755 ou jornalismo@jornaltribunapopular.com
Esse post foi publicado em Cultura. Bookmark o link permanente.