Serra enfrenta discurso petista e defende privatizações feitas por FHC


Um dia após ser informado sobre as estratégias a serem usadas pelo PT da adversária Dilma Rousseff , o presidenciável tucano reuniu lideranças e aliados do PSDB, em Brasília, e deu uma prévia do tom que sua campanha deverá adotar.


Julia Duailibi, Ana Paula Scinocca e Christiane Samarco – O Estado de S.Paulo

No dia seguinte ao anúncio de integrantes da campanha petista de que vão usar as privatizações para atacar a candidatura tucana, o presidenciável do PSDB, José Serra, partiu para o confronto e defendeu as medidas tomadas na era Fernando Henrique Cardoso. “Eles poderiam refazer as privatizações, mas não refizeram. Não venham com trololó de factoide dessa maneira. Isso não vão levar”, afirmou ontem o tucano.

Durante encontro em Brasília com líderes do PSDB e de partidos aliados, para dar largada ao segundo turno da campanha, Serra adotou um tom de confronto com o PT. “Eles falam em privatização. O governo Lula continuou a privatizar”, disse, ao lembrar que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva privatizou dois bancos durante seu primeiro mandato – o Banco do Estado do Maranhão e o Banco do Estado do Ceará. “Aí não é um problema de número. É um problema de ideologia. Se privatizou, não era tão contra.”

Em encontro para traçar a estratégia da campanha de Dilma Rousseff (PT), na terça-feira, petistas defenderam a comparação entre as gestões Lula e FHC e avaliaram ser importante colar em Serra a pecha de privatista, por ele ter participado do governo FHC, durante o qual setores da economia, como a telefonia, foram privatizados.

A fala de Serra evidenciou a resposta política que os tucanos pretendem dar para as críticas dos adversários. A orientação é partir para o ataque, a fim de evitar erros da campanha presidencial de 2006, quando o então candidato do PSDB, Geraldo Alckmin, caiu na armadilha colocada pelo PT e ficou na defensiva quando confrontado com o tema.

“As privatizações são um sucesso para as pessoas. Hoje temos mais de 180 milhões de celulares graças à decisão de privatizar”, declarou o deputado Jutahy Júnior, um dos principais aliados de Serra. “Vamos jogar para ela (Dilma) essa questão: vai reestatizar a Vale, a Embraer? Se ela mentir, como está mentindo no caso do aborto, ótimo.”

O presidenciável deu uma prévia do que deverá ser o tom da campanha. “O brasileiro quer um governo de verdade, não um governo parecido com a casa da mãe Joana”, declarou.

Afirmou ainda que a campanha adversária “enrola” e “desrespeita” as pessoas. “Eu nunca disse que o MST me agrada, porque não me agrada”, atacou Serra. “Chegou-se ao máximo de estampar que o PT ia tirar o aborto do programa. O que não tem direito é uma campanha presidencial enrolar. No fundo, é desrespeitar as pessoas, os cidadãos.”

Defesa. Para uma plateia de cerca de 300 aliados, Serra ficou mais à vontade para defender o governo FHC e teceu elogios ao ex-presidente Itamar Franco (PPS), senador eleito por Minas.

Defendeu o Plano Real. “Eliminou a nuvem de poeira que sufocava nosso país e oprimia os mais pobres”, ressaltou Serra. “Com a inflação, quem sofre são os mais pobres. Essa transição levou o Brasil a voltar ao caminho, que eu não sei se tinha ido, mas ao caminho da dignidade, do decoro.”

Elogiou a atitude dos dois ex-presidentes durante os processos eleitorais enquanto ocupavam o Palácio do Planalto e defendeu uma legislação para regulamentar o comportamento dos chefes de Executivo durante a campanha. Na plateia, estavam algumas das forças da oposição que foram derrotadas, em parte pelo empenho do presidente Lula.

“Foi uma luta muito desigual”, disse o senador Jarbas Vasconcellos, derrotado na disputa pelo governo de Pernambuco. “Enfrentei uma campanha dificílima. Perdi, mas queria fazer uma declaração, do fundo do coração: se Serra ganhar, me sentirei mais vitorioso que se tivesse sido eleito para o Senado”, declarou o senador Tasso Jereissati (CE), que sempre teve relação conflituosa com Serra. O presidenciável rebateu: “Do ponto de vista político, Tasso reclama de mim. Mas, do pessoal, somos muito amigos.”

Serra disse que, se eleito, não tratará a oposição “como inimigo da pátria”. E defendeu o comportamento de seu partido. “Muita gente diz que o PSDB fez uma oposição de banana. Foi uma oposição soft”, observou. “Não vou governar para uma facção, um partido. Nenhuma força política será dizimada ou ameaçada.”

EU PROMETO

Promessa feita ontem pelo candidato José Serra (PSDB):

1. Aprovar no Congresso lei que regulamenta a atuação de chefes do Executivo em campanhas eleitorais: “Com o apoio do Congresso Nacional, vamos aprovar um marco para regulamentar a participação dos chefes de Executivo nas campanhas eleitorais.”

Sobre Da Redação do TP

Contatos com a Redação: (81) 3518-1755 ou jornalismo@jornaltribunapopular.com
Esse post foi publicado em Eleições 2010, Política. Bookmark o link permanente.