Brasil não explora ‘nem 1% da riqueza’ da Amazônia, diz Lula



No PA, presidente defendeu desenvolvimento aliado à conservação florestal.
Ele disse que usina hidrelétrica de Belo Monte segue ‘projeto sustentável’.

Nathalia Passarinho Do G1, em Brasília

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva defendeu nesta quinta-feira (14), em Belém (PA), a exploração sustentável da biodiversidade amazônica, durante o lançamento do Plano de Desenvolvimento Regional Sustentável do Xingu. Lula disse que o Brasil ainda explora uma pequena parcela das riquezas da região.

“É possível crescer, se desenvolver, sem destruir […] Quando a gente fala em desenvolvimento sustentável alguns pensam que é proibir a questão do desenvolvimento econômico para permitir a natureza. Nós ainda não começamos a explorar nem 1% da riqueza da biodiversidade que temos na Amazônia”, disse.

O presidente voltou a defender a construção da usina hidrelétrica de Belo Monte, que será construída no Rio Xingu. Em seu discurso, Lula afirmou que o projeto da usina foi “amplamente discutido”. A obra é criticada por ambientalistas e indígenas. devido aos impactos ambientais que pode causar.

“Construímos uma relação [de confiança] que permitiu que a gente construísse a hidrelétrica de Belo Monte. E construímos um projeto em que todo mundo foi ouvido. Mesmo aqueles que querem ser moucos [surdos] sem serem moucos. Mesmo aqueles que querem ser contra por serem contra. A ordem minha era: ‘Não grite, convença'”, afirmou.

Segundo o presidente, Belo Monte tem um projeto sustentável, o que não ocorreu na construção de outras usinas. “O que acontecia com as outras hidrelétricas? Eles contratavam, faziam leilão, construíam, destruíam tudo. E no final não levavam energia nem para as favelas, iam levar energia para São Paulo, Rio de Janeiro e ficava a miséria na região. No projeto de Belo Monte, tem R$ 5 bilhões para cuidar da população local.”

Ao destacar a redução do desmatamento no país, o presidente disse que o mundo deveria “se curvar diante do Brasil”. “O mundo devia se curvar diante do Brasil porque neste mês [agosto] tivemos o menor desmatamento de toda a série de desmatamentos que estamos investigando”, disse.
saiba mais

O Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) detectou 265,1 km² de desmatamento na Amazônia Legal em agosto deste ano. A área equivale a cerca de 165 vezes o tamanho do Parque Ibirapuera, em São Paulo, ou a quase seis vezes o Parque Nacional da Tijuca, no Rio de Janeiro. No entanto, se comparado com agosto de 2009, quando o sistema registrou 498 km² de devastação, o desmatamento na região foi reduzido em 47%.

Lula disse ainda que não basta apenas proibir o corte ilegal de madeira e o cultivo de gado em áreas de preservação sem dar alternativas para a população de cidades cercadas por florestas. “É preciso dar alternativa para as pessoas viveram dignamente de forma legal. É a única chance que a gente tem de ter sucesso na questão da preservação da nossa querida Amazônia.”

O Plano de Desenvolvimento Regional Sustentável do Xingu, lançado nesta tarde, tem como objetivo promover o desenvolvimento sustentável da região com a união das políticas públicas dos três níveis de governo. É no Xingu que será construída a usina hidrelétrica de Belo Monte, obra que enfrenta resistência de indígenas e ambientalistas. Um dos objetivos do plano é incentivar as atividades econômicas com ordenamento fundiário e investimentos em infraestrutura.

Inimigos
Depois de lançar o plano para a região do Xingu, Lula participou da 2ª Reunião da Câmara Setorial da Cadeia Produtiva da Palma de Óleo. No evento, ele defendeu incentivos aos produtores de óleo e afirmou que o Brasil está ganhando “inimigos” porque ficou “importante”.

“Eu penso que o que ouvi hoje aqui já é suficiente para que eu possa concluir que estávamos certos quando acreditamos na política de biocombustíveis, na necessidade de zoneamento agroecológico da cana de açúcar, do dendê. Porque na medida que a gente começa a ficar importante no mundo começam a aparecer adversários”, disse.

Segundo o presidente, as nações desenvolvidas se sentem ameaçadas com a ampliação do mercado produtor brasileiro e saem em busca de argumentos para aumentar as tarifas de importação. “Não duvido que logo, logo comecem a dizer que estamos invadindo a Amazônia, que não poderíamos plantar onde estamos plantando, que temos trabalho escravo, trabalho infantil. Que não poderíamos existir nesse mercado de palma”, disse.

De acordo com Lula, o Brasil tem condições privilegiadas para o agronegócio. Ele voltou ainda a destacar que o governo está empenhado em reduzir o desmatamento na Amazônia. “O dado concreto é que não tem nenhum país em condições de competir com o Btasil tanto em área agricultável, tanto em solo. A coisa extraordinária é que o Brasil consegue assumir um programa e assume o compromisso de fazer empréstimo diferenciado para os interessados em investir em áreas degradadas. Mostramos ao mundo que estamos diminuindo o desmatamento na Amazônia.”

Anúncios

Sobre Da Redação do TP

Contatos com a Redação: (81) 3518-1755 ou jornalismo@jornaltribunapopular.com
Esse post foi publicado em Eleições 2010, Política. Bookmark o link permanente.

Uma resposta para Brasil não explora ‘nem 1% da riqueza’ da Amazônia, diz Lula

  1. Claro que não!
    Mais que pelo menos 70% quando é explorado por contrabandistas é vendido a preço de banana pelo governo.
    Que adianta explorar se quando isso é feito, o Brasil sempre é roubado.
    *Para se construir os motores dos aviões a jato ou de foguetes é necessário que se tenha NIÓBIO.
    Quem tem este minério?
    Serra Leoa na África possui 3% de todo NIÓBIO existente na terra.
    O Brasil tem 97% vende as grandes potências para que possam construir seus caças, foguetes e espaçonaves, mais quem taxa o preço para a compra são os compradores e não nós.
    Se houvesse seriedade dos governos nossas minas de NIÓBIO teriam guarda especial de segurança, seriam áreas de segurança nacional mas que fizeram os patrióticos brasileiros, demarcaram uma reserva indígena onde sequer as FA podem entrar e brasileiros só entram se tiverem o passe liberado por ONGS internacionais.
    Então! Para que explorar mais que 1%, para sermos mais roubados ainda.
    E note-se um assunto tão sério como este e nenhum dos candidatos, quando digo nenhum me refiro a todos de deputados estaduais, federais, (estes coitados talvez nem saibam o que é isso) senadores e principalmente presidentes da república.
    Um dia, não muito distante o homem poderá produzir reatores que substituirão definitivamente o petróleo, mas apenas possuindo NIÓBIO poderá construí-lo.
    O Nióbio Brasileiro, Roraima, Raposa Serra do Sol, leiam mais saibam como somos roubados e que o pré sal não é tudo.
    http://todomundovivosabendoeaceitando.blogspot.com.br
    Porque os grandes meios de comunicação não abrem a caixa de ferramentas e mostra ao povo como se rouba tanto.

Os comentários estão encerrados.