Aécio defende refundação do PSDB e oposição propositiva


Folha.com
VALDO CRUZ
DE BRASÍLIA

Ex-governador de Minas e senador eleito, Aécio Neves, defende a “refundação do PSDB” para recuperar sua “identidade”. Para isso, propõe refazer o programa partidário dos tucanos até maio do próximo ano.

O novo texto, segundo ele, defenderia sem “constrangimentos” as privatizações do governo FHC e, ao mesmo tempo, fugiria de armadilhas eleitorais fixando que empresas como Banco do Brasil e Petrobras devem ser preservadas como estatais.

No Senado, o tucano mineiro promete uma “oposição generosa” à presidente Dilma nas discussões sobre as grandes reformas e “aguerrida” na defesa das instituições democráticas, da ética e na fiscalização dos atos do Executivo.

Aécio repete que o presidente Lula “atropelou algumas das nossas instituições” durante a campanha, mas diz que a “eleição está passada” e a “presidente foi eleita legitimamente”.

Preterido na disputa interna por José Serra, ele evita criticar o colega paulista, classificado por ele de “um guerreiro”. A seguir, trechos da entrevista.

FOLHA – Derrotado, qual o papel do PSDB no governo Dilma?
Aécio Neves – Existiu um pensador inglês que deixa um ensinamento tanto para o governo que assume como para a oposição. Benjamin Disraeli, primeiro-ministro da Inglaterra (1804-1881), dizia que para haver um governo forte é preciso haver oposição forte. É esse papel que temos de desempenhar.

O PSDB precisa de mudanças diante das últimas três derrotas, em que sempre esteve em conflito com seu passado?
Avalio que estamos no momento de refundar o PSDB para recuperar nossa identidade partidária. Por isso, estarei propondo ao partido que, daqui até maio, quando teremos nossa convenção partidária, possamos refazer e atualizar o nosso programa partidário.
Vou sugerir um grupo de três notáveis do partido para coordenar essa refundação do PSDB, conduzir conversas com setores da sociedade, instituições organizadas, para que nesse período possamos construir um novo programa partidário.

Quem seriam os três notáveis?
O presidente Fernando Henrique, o candidato Serra e o ex-presidente do PSDB Tasso Jereissati.

Qual a linha dessa refundação?
Que fale da nossa visão sobre privatização sem constrangimentos. Temos de mostrar como foi importante para o país as privatizações das telecomunicações, da Embraer, da Vale. Ao mesmo tempo assegurar, de forma clara, que existem empresas estratégicas do Estado que não estarão sujeitas a qualquer discussão nessa direção, como o Banco do Brasil, a Petrobras.

O sr. quer acabar com as armadilhas eleitorais em que o partido caiu nas últimas eleições?
Temos de falar disso com altivez, reconhecendo e assumindo o nosso legado. Não existiria o governo do presidente Lula com seus resultados se não tivesse havido os governos Itamar Franco e Fernando Henrique.

É uma defesa do passado?
Não, sugiro mais, um novo pacto federativo. Criaria novos critérios para cargos de confiança, profissionalização do funcionalismo público, enxugamento violento dos cargos de confiança do governo.
Devem fazer desse novo programa também a defesa da liberdade de imprensa, dos próprios valores democráticos, questões como a da reforma política, do voto distrital misto.
Propor ainda uma política externa baseada no tripé que passa pelas relações com países que defendam democracia, os direitos humanos e respeitem nossos interesses comerciais.

O ex-presidente FHC disse que não mais apoiará um PSDB que não defenda seu passado. Está em linha com o que defende?
Eu compreendo a angústia do presidente, mas não vou, numa hora dessa, olhar para trás, vou olhar para a frente. O governador Serra defendeu com extrema altivez e coragem pessoal as teses que achava que deveria defender, foi um guerreiro nessa campanha, defendeu valores extremamente importantes.

E sobre lançar daqui a dois anos o candidato do PSDB a presidente em 2014, tal como propôs FHC?
Não sei se é hora de pensar nisso. A vida é feita por etapas, não podemos é correr o risco de ter um processo atropelado no final.

O momento é mais de a “luta continua”, fala de José Serra após a derrota, ou de estender a mão, de Dilma Rousseff?
Temos como exercer uma oposição aguerrida na defesa das nossas instituições, da própria democracia e na fiscalização permanente das ações do governo, colocando limites em eventuais excessos. E, ao mesmo tempo, exercermos uma oposição propositiva, que apresente propostas em torno de uma agenda de Estado, e não de governo. Aí entra na pauta a agenda das grandes reformas. Devemos estar dispostos a sentar à mesa na busca de construção de consensos em torno dessas reformas.

Quais?
Começo pela política, que reorganize nosso sistema político e partidário. A tributária, que aponte na direção da redução da carga tributária. Reforma do Estado brasileiro, que fortaleça Estados e municípios, que vêm sendo fragilizados nos últimos anos. Além da construção de uma política industrial racional, que nos tire da armadilha em que entramos, que nos transforma em exportadores de produtos primários e importadores de produtos manufaturados.
Na discussão desses temas, a próxima presidente encontrará uma oposição generosa, e, ao mesmo tempo, firme na defesa das instituições democráticas, nos limites éticos.

O presidente Lula pediu à oposição que não seja raivosa em relação ao governo Dilma.
Não vamos fazer aquela oposição raivosa exercida pelo PT ao governo FHC, votando contra tudo. O próprio PT deve ter aprendido com isso. O Brasil está maduro para ter outro tipo de oposição. Não me sentirei diminuído, ao contrário, se for convidado a sentar à mesa com outras lideranças para discutir questão previdenciária, política, tributária, reforma do Estado.

Durante a eleição, sua relação com o presidente Lula, que sempre foi boa, ficou desgastada.
Olha, temos de compreender isso como parte do processo eleitoral. Passado o calor eleitoral, todos temos de ter a disposição para conversar. Só uma oposição frágil e insegura se negaria a discutir temas com o governo essenciais à vida nacional.

O presidente Lula extrapolou na eleição de 2010?
A eleição está passada. Quem tem de fazer esse juízo é a sociedade. A presidente foi eleita legitimamente, tem todo direito de montar seu governo da forma que achar mais adequado, encontrar seu norte político.

A fila andou no PSDB? O sr. é o próximo candidato a presidente?
[rindo] O PSDB nunca teve dificuldades de quadros, continua não tendo. Só alguém neófito em política se lança candidato de si próprio. Eu estarei à disposição do partido para cumprir o papel que me designar.

Quem foi o personagem da eleição de 2010?
O presidente Lula. Construiu uma candidatura à revelia do seu partido e venceu. Essa é a marca que fica. Atropelando em determinados momentos algumas das nossas instituições, mas venceu as eleições e temos de reconhecer essa vitória, não nos fragilizarmos a partir dela.

O sr. pode sair do PSDB?
Meu destino é no PSDB.

Defende a abertura de uma janela partidária para troca de partidos no próximo ano?
Não acho que seja o essencial. Deveríamos voltar a discutir a cláusula de desempenho, que limita o número de partidos. Defendo a volta da cláusula de barreira, que limite o funcionamento dos partidos na sua representatividade da sociedade.

Sobre Da Redação do TP

Contatos com a Redação: (81) 3518-1755 ou jornalismo@jornaltribunapopular.com
Esse post foi publicado em Partidos Políticos, Política. Bookmark o link permanente.