BATALHA DOS GUARARAPES: Encenação começa nesta sexta


Espetáculo conta de forma didática episódios da formação do nosso povo.

da Secom/Jaboatão

Tem início nesta sexta-feira (12) a sexta edição do espetáculo “Batalha dos Guararapes: assim nasceu a nossa pátria”. A encenação narra diversos episódios da história pernambucana e culmina com uma reconstituição da luta histórica que deu origem ao exército brasileiro.

O espetáculo é encenado ao ar livre pela companhia de teatro Metron Produções, sob a direção de José Pimentel. O elenco de 65 atores e 250 figurantes se reveza em três palcos e o cenário natural do Monte dos Guararapes durante as duas horas de apresentação. O espetáculo é patrocinado pela Prefeitura de Jaboatão, com apoio do Governo do Estado.

O prefeito Elias Gomes prestigiou o ensaio geral realizado ontem, 11 de novembro. Juntamente com convidados e autoridades, alunos de escolas municipais, estaduais e particulares também fizeram parte da platéia. Para Paulo André, de 14 anos, “é o melhor espetáculo que eu já vi na história”, disse o menino, em entrevista a uma rede de televisão.

Segundo o secretário de Cultura e Eventos, Ivan Lima Filho, a idéia do espetáculo foi trazida com o objetivo de valorizar o patrimônio do Parque Histórico Nacional dos Guararapes. “Através da retomada deste espetáculo, colocamos o nosso patrimônio em evidência no cenário nacional com forte participação do trade turístico pernambucano”, destaca Lima, lembrando que há três anos não era realizada a encenação.

O evento conta com mobilização da Prefeitura de Jaboatão, especialmente nas áreas de segurança, trânsito, saúde, limpeza e iluminação. “Toda a infraestrutura está sendo detalhadamente cuidada por diversos segmentos do Governo Municipal. Investimos um total de R$ 250 mil no evento.”, comenta o secretário.

“Desejamos que a iniciativa se torne uma aula espetáculo para o povo. Queremos proporcionar conhecimento a população, enfatizando que aqui foi estabelecido pela primeira vez o sentimento de pátria na nação brasileira “, ressalta Ivan Lima. A peça será aberta ao público. A estimativa é de que 10 mil pessoas passem por dia no Monte dos Guararapes.

Serviço:
“Batalha dos Guararapes: assim nasceu a nossa pátria”, de 12 a 15 de novembro, sempre às 20h, no Parque Histórico dos Guararapes

Recorte de episódios da nossa história
Personagens e histórias se misturam no enredo da Batalha dos Guararapes

Algumas das histórias do espetáculo da Batalha dos Guararapes podem ficar perdidas fora de contexto, para quem não conhece um pouco da história de Pernambuco.. A produção, que volta a ser encenada depois de três anos, tenta fazer um recorte de dezenas de episódios ocorridos em meados do Século XVII em Pernambuco.

O texto não se restringe ao ocorrido nos Montes Guararapes. São citados episódios importantes da nossa história como as batalhas de Casa Forte, do Monte das Tabocas, do Arraial do Bom Jesus (atual Sítio da Trindade) e confrontos na Igreja de Santo Antônio, na Várzea.

Mas nem só de guerra vive o espetáculo. José Pimentel e companhia fazem questão de mostrar personagens como os pintores Frans Post e Albert Eckoudt, que viveram em Pernambuco durante parte dos 24 anos da ocupação holandesa em terras brasileiras.

Enquanto tenta dar uma pincelada nas tramóias e disputas entre holandeses e portugueses vão se sucedendo episódios importantes do nosso folclore, como a famosa aparição do Boi Voador. Em 1644, o Conde Mauricio de Nassau ao inaugurar a Ponte Recife (que atualmente tem o seu nome) utilizou um couro de boi em formato de balão inflável, amarrado em cordas finas sobre roldanas controlado por marinheiros que fazia cambalhotas no ar.

Os preparativos para a Batalha dos Guararapes mostram o quanto a saída de Nassau precipitou a insurreição. O clima de revolta iniciou quando os holandeses passaram a cobrar as dívidas dos senhores de engenho. Todo esse debate fica evidente nas cenas em que os líderes dos pernambucanos discutem as estratégias para vencer os holandeses.

Sobre Da Redação do TP

Contatos com a Redação: (81) 3518-1755 ou jornalismo@jornaltribunapopular.com
Esse post foi publicado em Cultura, Jaboatão. Bookmark o link permanente.